05/04/2015

Entrevista: autora Karen Alvares

Sim, é a terceira postagem relacionada a Alameda dos Pesadelos que eu trago seguida, estou in love, da licença hahahahaha. Hoje eu trago uma entrevista super legal com a autora Karen Alvares, onde eu fiz perguntas mais voltadas para a história do Alameda mesmo. Vem conferir!



1- O que te levou a ser escritora?
Sempre gostei de escrever, mas comecei a pensar seriamente em seguir carreira quando era adolescente. Na época, escrevia fanfics de Harry Potter e fazia um certo sucesso no fandom. Mas, claro, a vida foi passando, as responsabilidades chegando e, apesar do sonho estar sempre lá, no fundo, só fui mesmo levar a sério em 2012, quando comecei a escrever contos e enviar para editoras, concursos e terminei de escrever Alameda dos Pesadelos, dez anos após a ideia inicial.  

2- De onde surgiu a inspiração pra Alameda dos Pesadelos?
De um sonho que tive quando tinha dezessete anos. Foi um sonho muito vívido, de uma cena que acontece no livro no capítulo 4. A partir daí comecei a desenvolver os personagens e a história, mas o final do livro surpreendeu a mim mesma enquanto escrevia. Na ideia inicial não imaginava que a história me levaria até esse lugar. 

3- Os personagens são totalmente fictícios ou você se inspirou em alguém real?
Acho que a gente sempre se inspira em uma ou duas coisas de pessoas que conhece. Mas geralmente pego fragmentos de personalidade, é bem difícil uma pessoa virar um personagem completo. Além disso, os personagens vão tomando seus próprios rumos e atitudes durante a trama, dissociando-se do planejamento inicial. Acho que só tem um personagem que sempre será inspiração de uma pessoa da minha vida: no caso de Alameda dos Pesadelos, o Seu Caetano, pai de Vívian, mas todos os pais que escrevo sempre têm muito do meu próprio pai. É difícil fazer diferente porque meu pai é e sempre foi inspirador pra mim. 

4- Como foi o processo de escrita? Demorou muito pra terminar o livro?
Desde a ideia inicial, o sonho, o livro levou uns dez anos para ficar realmente pronto. Tudo bem que eu terminei em 2012, mas depois disso ele ainda passou por revisões, reescritas, uma editora e tantas coisas, que eu só o considerei realmente "terminado" no ano passado, quando foi lançado. Mas se for contar a parte que realmente sentei e escrevi, em 2012, demorou de três a quatro meses. 

5- Lendo o livro, não pude deixar de me perguntar qual sua religião e suas crenças... Então, qual é? Alameda dos Pesadelos vai contra isso em que você acredita?
Gosto de pensar que Alameda dos Pesadelos fala de várias crenças e visões de vida. Só observando o núcleo familiar da protagonista, você encontra a própria Vívian sendo ateia, enquanto sua mãe é católica e o pai espírita. Isso acontece muito no Brasil e particularmente acho lindo; a mistura de crenças e a conivência - em grande parte - pacífica e amorosa de pessoas com diferentes visões de vida. No meu caso, já fui católica e, após várias coisas que aconteceram na minha vida, comecei a me identificar muito com a doutrina espírita, mas me considero mais uma curiosa e estudiosa da filosofia do que praticante.

6- Como você realmente imagina que seja a vida depois da morte? 
Acho que bem parecido com o que coloquei no livro. Não acho que o trabalho termine após a morte. Para mim, a vida continua e nosso espírito (ou alma) prossegue com seu crescimento e evolução, aprimorando-se, um tantinho melhor a cada vida. Acredito em reencarnação. Respeito quem pensa o contrário, mas acho injusto apenas uma vida e uma única chance para fazer o certo. A gente erra tanto, mais do que acerta... E nem é apenas o espiritismo que acredita nisso, a reencarnação é um tema recorrente em várias outras crenças, como o budismo, por exemplo, outra filosofia que admiro bastante.

7- Você acha que tem que consertar alguma coisa pendente numa próxima vida, talvez?
Acho que vou precisar consertar coisas que fiz ou faço já nessa vida mesmo. E tantas outras que devo ter feito em outras e não me lembro. A gente vive errando, o tempo todo, mesmo quando tenta acertar. Mas mais importante que acertar é reconhecer o erro, ser humilde e buscar o perdão.

8- O que você espera transmitir com a história de Alameda?
Eu gostaria que as pessoas tirassem da história que nem tudo está escrito em pedra. Nem todo mundo é 100% bom, muito menos 100% ruim. Todo mundo tem suas razões. Todo mundo erra, mesmo tentando acertar. É o que eu falei ali em cima, mais importante que acertar é reconhecer o erro e buscar o perdão. E Alameda dos Pesadelos é muito sobre isso: assumir sua culpa, pedir desculpas e tentar se redimir pelos erros que a gente às vezes nem sabe ou sequer percebe que cometeu.

9- Quais são seus futuros planos na literatura?
Ano passado terminei dois livros, na verdade, uma série: Inverso e, a continuação, Reverso. Dessa vez escrevi uma história Young Adult, que lida essencialmente com temas como família, amizade e escolhas. A trama é sobre uma garota que descobre um mundo do outro lado do espelho, onde sua vida é completamente do avesso e, daquele lado, sua mãe está viva. Mas há coisas boas e ruins dos dois lados e ela precisa escolher em qual deles quer viver. Além disso, sempre escrevo contos, que lanço em editoras ou de maneira independente. Há vários para serem lançados esse ano. E, recentemente, organizei minha primeira antologia de contos, Piratas, também pela Editora Cata-vento, com lançamento agora nesse mês. Gostei muito de trabalhar nesse livro e, apesar de ser uma organizadora coruja, posso dizer com convicção que os autores selecionados nesse livro estão de arrasar!

10- Deixe um recadinho :) 
Espero que tenham curtido e, caso venham a ler algum dos meus livros ou textos, digam o que acharam deles! É muito importante para o escritor esse retorno delicioso dos leitores. Estou sempre que possível à disposição nas redes sociais, no Facebook (https://www.facebook.com/autorakarenalvares?fref=ts) ou no Twitter (@karen_alvares). Ah, e também sempre posto novidades lá no meu blog, visitem! :) http://papelepalavras.wordpress.com/ Beijos!


Quero agradecer a Karen que é sempre uma fofa comigo por essa entrevista, foi bem esclarecedora pra mim. Espero que tenham gostado e não deixem de ler Alameda dos Pesadelos que é demais! 



21 comentários:

  1. gente adorei a entrevista, sempre procuro ler e vejo que varias pessoas realizaram seus sonhos publicando seus queridos livros, pretendo fazer e se Deus quiser realizar esse meu sonho.
    bjs e sucesso pro blog e para a autora!
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adoro essas entrevistas, pois fazem com que o leitor tenham uma aproximação com o próprio autor. A parte que eu mais gostei da entrevista, foi saber que a Karen inspirou-se para escrever Alameda dos Pesadelos após ter um sonho, que louco hahaha Espero que a Karen continue realizando os seus objetivos no mundo da literatura! ;)

    ResponderExcluir
  3. Olá, Nathalia.
    Adorei a entrevista com a Karen, até porque tudo que eu li dela até agora, eu gostei. Foi bom saber mais dela! Achei interessante o Alameda dos Pesadelos ter começado com um sonho; sempre fico curioso para saber de onde nasceu o enredo. rs
    Também gosto quando os autores misturam dados ficcionais com coisas do cotidiano, que é exatamente o que ela faz.
    Espero ler o livro dela em breve. <3

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de abril. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  4. Oi Nath!

    Eu amei sua resenha deste livro e a entrevista ficou maravilhosa! Parabéns!

    Tomara que eu possa lê-lo logo!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  5. Xent, adorei a entrevista
    (amo/sou blogueiro que faz perguntas que saem das clássicas... eu não me incluo nesse grupo HAEUUEAE)
    Eu ainda não li a sua resenha Nath, do livro da Karen (mas deixa eu terminar de comentar que já vou lá), mas vocês já conseguiram que eu me interessasse só com a entrevista #sos

    Besos
    a nathália que não é barraqueira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MELHOR assinatura eveeeeer HUASHASUAHSAS

      bjin
      a nathalia que é barraqueira (ounão

      Excluir
  6. Nathália!
    Parabéns pela parceria!
    Tão bom quando um livro nos arrebata ao ponto de queremos divulgá-los para todos, principalmente quando a autora é nacional.
    A entrevista foi fantástica porque podemos conhecer um pouco mais sobre a autora e a forma como produziu seu livro.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é? A Karen deve ta cansada já haha
      Obrigada Rudy!

      Excluir
    2. Tá doida que eu vou me cansar? Tô amando essas postagens! <3

      Excluir
  7. Amei responder essa entrevista, Na! ;) Ficou linda!!! Adorei as perguntas, foi uma delícia. Fico feliz que vocês tenham curtido também, pessoal. Obrigada pelo espaço, pelas postagens e por ser uma fofa, lindona! <3

    ResponderExcluir
  8. Gente, sou apaixonada nesse livro, e não vejo a hora de surgir a oportunidade de ler. O gênero é muito a minha cara, e a sinopse me deixa completamente ansiosa pela história. Quero muito conhecer a escrita da Karen, ela parece ser um fofa, super simpática. Adorei a entrevista e as respostas da autora!

    ResponderExcluir
  9. Oi xará!
    Muito bacana a entrevista, é sempre bom conhecer mais do projeto da escrita de um livro, ainda mais quando é de um autor nacional.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oie!

    Adorei a entrevista, é sempre bom pra conhecer um pouco do trabalho da autora ^^

    Quero ler Alameda dos Pesadelos e vou tentar ler um conto dela que acabou de lançar *-* :3

    Bjs!

    Jhonatan | Leitura Silenciosa
    PARTICIPE DO NOSSO TOP COMENTARISTA E CONCORRA A DOIS LIVROS INCRÍVEIS!

    ResponderExcluir
  11. Eu e a autora somos bem divergentes quanto a religião e crenças, mas, assim como ela, respeito quem pensa diferente.
    Com essa entrevista me interessei por Alameda dos Pesadelos, vou ver mais sobre.
    Abraço, Nath!!

    ResponderExcluir
  12. Olá Nath, a Karen é uma fofa, também sou parceira dela, mas ainda não li o Alameda, estou aguardando ele chegar, por sinal!!
    Adorei saber mais sobre os sentimentos e pensamentos da autora sobre a própria escrita dela!!
    Abraços
    www.estantedepapel.com

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito de saber um pouco mais sobre a autora. Se depois de 10 anos ela terminou o livro, então eu ainda tenho esperança haha

    ResponderExcluir
  14. Oun entrevistas <3
    Adoro faz~e-las e quando os autores são legais aí é que a gente se empolga né?!
    Ainda não conheci a obra da Karen, mas pretendo fazer em breve. Parece ser interessante. E saber que ela continua escrevendo é ótimo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Ainda não li, mas esse livro parece ser muito bom, só li coisas boas a respeito até agora .. E essa entrevista ? Que top! Gostei muito! Tô super curiosa pra ler o livro dela e o farei logo que puder.. Espero que venham mais livros que foram tão bem conceituados como esse !

    ResponderExcluir
  16. Nath, vou ser sincera, não curto muito ler entrevistas, não sei pq tenho um certo bloqueio por isso, mas fiz uma forcinha e acabei gostando bastante das coisas que você salientou. Ainda não li o livro, mas como disse fiquei curiosa, parece ser uma história bacana e talvez eu invista em uma leitura futuramente. To confusa agora, eu disse que quero ler ele na resenha né?

    ResponderExcluir
  17. Fiquei bem curiosa em relação a resposta da pergunta 9, o tema parece bem interessante!
    É bom ver perguntas diferenciadas, mesmo sendo relacionadas ao universo do livro.

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Gosto de ler entrevistas, sempre fico sabendo um pouquinho mais sobre o livro e sobre a parte pessoal do autor. Confesso que minha expectativa com o livro caiu um pouco, principalmente porque discordo da autora em alguns aspectos, mas eu respeito.
    Beijo.
    Tá rolando sorteio lá no blog, vem participar --> Choque Literário

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, volte sempre! :)