19/02/2015

Resenha: No Escuro - Elizabeth Haynes

Título: No Escuro
Autor: Elizabeth Haynes
Editora: Intrínseca
Páginas: 335
Sinopse: Catherine está no controle de sua vida. Bem-sucedida, sai toda noite para beber e dançar com as amigas, até que, numa festa, conhece Lee, um homem sedutor e atencioso. Sua vida está perfeita e todas as mulheres gostariam de estar em seu lugar. Ou quase todas.
Quieta e reservada, Cathy luta contra o transtorno obsessivo-compulsivo que torna penosas as tarefas mais simples, como trancar a porta do apartamento. Vulnerável e aterrorizada, ela nem de longe lembra Catherine, a pessoa que costumava ser antes de Lee deixá-la assustadoramente traumatizada.
O que aconteceu para que Catherine mudasse tanto? Que memórias a obrigam a seguir um ritual tão rígido para que se sinta segura? E o que Cathy faria se descobrisse que Lee está não só em sua mente, mas em sua casa e em sua vida outra vez?






Catherine Baile é decidida, bonita, sensual, jovem e solteira. Aproveita todas as noites que tem para sair com suas amigas e ir para bares. Ela é do tipo de mulher que dança e bebe a noite toda, sai com caras que nunca viu, acorda de ressaca e se sente bem fazendo isso, se sente livre.
Um dia numa dessas noitadas ela atrai a atenção do segurança do bar, Lee. Posteriormente eles se encontram na academia e começam a sair.
Lee é bonito, sexy, forte, gentil e esta apaixonado por Catherine. Seu único defeito são os sumiços constantes por causa do trabalho, trabalho esse aliás que ele não conta de jeito nenhum para Catherine o que é.
Tudo vai indo bem no relacionamento dos dois, as amigas de Catherine amam Lee e dão todo apoio do mundo para os dois. Mas alguma coisa acontece e a vida de Catherine muda completamente. Lee não é aquilo que aparenta ser.


Cathy é uma mulher jovem mas com aparência sofrida. Se veste de modo conservador de modo a não revelar nenhuma parte de seu corpo e não socializa com ninguém. Sofre de TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) e por conta disso sair de sua casa é um martírio. A cada vez que sai ou que chega ela tem que verificar todas as portas e janelas de seu apartamento, fora a porta do prédio. Verificar a fechadura, o batente, se a cortina está alinhada, se tudo esta no lugar é uma rotina cansativa que faz com que Cathy sempre chegue atrasada no trabalho.
Um dia, um novo inquilino aparece no prédio, Stuart, um psicólogo que conseguira conquistar a amizade de Cathy e ajudar a lidar com o TOC.
Mas alguma coisa muda na rotina tão programada de Cathy, a sensação de perseguição ressurge, as coisas estão fora do lugar. Alguma coisa está errada e Cathy consegue sentir o medo no ar.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------    
Se me permitem usar um palavrão já na minha primeira resenha - puta que pariu - que livro magnífico é esse?! Estou chocada até agora com a história e como ela me envolveu.


"Em se tratando de um dia para morrer, o mais longo do ano era tão bom quanto qualquer outro."

Como dá pra ver na sinopse e no meu resumo, acompanhamos duas Catherines: a primeira em 2003/2004 e a segunda por volta de 2007/2008. Catherine e Cathy são a mesma pessoa, mas tão diferentes entre si que poderiam ser duas personagens distintas.
Cathy era uma mulher normal mas sofreu alguma coisa que a traumatizou e hoje ela sofre com as consequências do passado, sofre com ansiedade e o TOC. 


A narrativa é feita em 1° pessoa pela Cathy, alternando entre o passado e o presente. O passado nos mostra como ela era, como conheceu Lee e o que aconteceu com ela para que ficasse do jeito que está no presente. Os capítulos, se posso os chamar assim, são iniciados com a data e é assim que sabemos qual momento da vida de Cathy vamos ler. 

A narrativa é ágil e suficientemente detalhada a ponto do leitor sentir um certo desconforto. Não foram raras as vezes durante a leitura desse livro, que me peguei pensando em checar a porta pra ver se estava trancada ou que sentia como se alguém tivesse me vigiando, mesmo eu estando dentro da minha casa. É impossível largar o livro pois a cada página virada pode haver uma nova informação e você precisa saber o que aconteceu com a Cathy.
A autora não nos poupa dos detalhes por mais cruéis que sejam, você sente na pele a dor. É chocante.


Os personagens são super bem construídos. O sofrimento e o transtorno da Cathy são palpáveis, e o TOC é perfeitamente descrito. A Cathy sabia que sofria disso, sabia que era uma bobagem todo o seu ritual de verificação de trancas e mesmo assim não conseguia parar. Me peguei torcendo pra ela conseguir se livrar dessa obsessão e ter uma vida normal. O Lee foi o doente/psicopata perfeito, um cara que se mostrava normal e gentil pra todo mundo mas era um verdadeiro monstro doentio.
O modo como a autora abordou o tema violência e nos mostrou como é pra quem esta sofrendo com isso foi muito bom, ela conseguiu passar os pensamentos do violentado, conseguiu passar o desespero. 



"Novamente, ouvi meu mantra surgir indesejavelmente na minha cabeça: Isso não é normal. Não é assim que as pessoas normais pensam. Mas que se dane - afinal, o que é ser normal?" 

Único defeito do livro? Ele acaba, e de uma maneira desesperadora pro leitor. 
Elizabeth Haynes, a senhora é destruidora mesmo viu. 



10 comentários:

  1. OXEEEEEEEEEEEEE
    lazarenta
    já começou a vida de blogueira aumentando minha lista de desejados, te desconsidero pakas #bintira
    sério, adorei essa resenha alçsjdakldjklsda e quero muito ler esse bendito u-u

    ~nathália
    www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
  2. Para tudo, já estou correndo desse livro kkkkkkkkk. Mentira, na verdade fiquei interessada mas estou com certo receio desse lado sombrio dele, sim, se me permite o palavrão eu sou uma cagona, dispenso tensão e terror como se fosse água barrosa. Gente como isso ficou nojento kkkkkkkk. Mas enfim, é isso mesmo, talvez leia o livro quando estiver com um humor sombrio, mas por enquanto vai ficar parado na estante!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu comprei esse livro só porque estava super mega barato no Submarino e nunca nem tive coragem de ler. Apesar que tenho dois livros da autora na estante e bom, sempre os desprezei. Acho que eu nunca li uma resenha dele e você já começou bem aguçando a minha curiosidade; Apesar de acreditar que talvez eu também vou ficar paranoica durante a leitura (eu já sou um pouco mesmo). Enfim, ao contrário da Ju eu vou dar uma chance ao livro. :P
    Beijos! Não vou comentar no outro post, então vai aqui mesmo: Bem vinda! <3

    ResponderExcluir
  4. TU ACREDITA QUE EU TENHO ESSE LIVRO NA ESTANTE E NUNCA LI POR PREGUIÇA?!
    Aí você chega e faz uma resenha dessa. Sério mesmo Nathy, isso não se faz. Nem de brincadeira.
    Adorei, estou louca para ler uma obra que me deixe a flor da pele, então acho que vai ser esse mesmo.
    Parabéns pela resenha principesa, ficou divina.

    Bjs
    Pausa Para Um Livro

    ResponderExcluir
  5. Oieeeee!!
    Vi este livro na promo do submarino e não comprei por medo de ser ruim, mas adoreiii sua resenha, tem mistério do jeito que eu gosto! A história parece ser mega interessante tb!
    Adoreii!

    www.leituravipblog.com

    ResponderExcluir
  6. Genteeee ue preciso ler esse livro! Uma amiga mina leu faz um tempo e me recomendou e eu sabia que ia gostar por causa da temática que me atrai muito, mas fui deixando pra lá e ele acabou sufocado na pilha de tantos outros livros, depois dessa resenha destruidora vou tentar ler o mais breve que puder, mesmo sabendo que provavelmente vou me sentir como você: meio paranoica e ficando com TOC durante a leitura. E já tô com dó da Elizabeth também e odiando esse Lee e torcendo pro Stuart conseguir ajudar ela a superar tudo, mas esse final impactante tá me causando mais medo ainda de inciar a leitura, ai, ai, ai... vou ler e espero gostar tanto quanto você!
    Beijos
    Debora.
    http://vanille-vie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Esse livro é realmente fantástico o sofrimento da personagem é tão real, a maneira que é descrita é leve o final achei meio angustiante mas aceitável.
    Foi uma das minhas melhores leituras do ano passado.
    http://memorias-diversas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Nath!!
    Não vou negar que fiquei um pouco confuso com a sinopse e depois com a descrição, mas logo depois você esclareceu as coisas! Achei o roteiro bem interessante e adorei sua resenha, mas não sei se me daria bem com esse livro, tenho um problema serio com livro psicológicos demais e esse tem vários sintomas!! Mas quem sabe um dia eu leia, não se pode dizer nunca!!

    Xo
    Alisson
    Re.View

    ResponderExcluir
  9. MEU DEUS TOU NIRVOUZA COM TUA RESENHA!! ><

    Achei que o Lee, pelo nome, fosse um espião e tal, mas ali no finalzinho tu já me desencanta e diz que ele é doentio e psicopata. Fiquei até com medo do cara.
    Gosto bastante desses temas, ainda mais quando a autora consegue transpassar tão bem a doença e o que acontece.

    Ain quero o livro, sem or!
    Vou atrás desse livro porque até coração ele ganhou. kk

    Bjos e bom fim de semana!

    Blog|Twitter|Instagram|Sorteios

    ResponderExcluir
  10. Deixei de comprar por uma bobeira, tinha gostado do título e a capa me remetia um suspense, mas cabra o que foi tua resenha? (Pqp ahahahah) pq não comprei??? Leria agora pois fiquei pilhada com esses suspense, Obrigada!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, volte sempre! :)